14.12.16

Desabafo de Mãe de dois

Hoje depois de quase 3 meses sem postar aqui no blog, vim pra desabafar sobre esses 5 meses.
Primeiramente deixo claro que eu sabia, sempre soube e repito pra mim mesma todos os dias "eu quis ser forte pra ter meus filhos "sozinha" (com meu marido claro) mas sem ajuda de avós, amigos e parentes".  E se você tem a oportunidade de estar perto de alguém que possa te dar suporte na criação dos seus filhos, por favor, aceite a ajuda de quem está perto. Porque não é fácil!
No meu caso minha família e amigos moram no Brasil e a família do meu marido... ("Entendeu,né") 
Pois então, quando decidi engravidar pela primeira vez, fui com a cara e a coragem de bater no peito e dizer pra mim "eu consigo sozinha!". E é claro que marido ajuda no que pode, quando está em casa ou disponível. 

E consegui! Passei por "Baby Blues" nas primeiras semanas (chorava horrores) por falta de experiência, porque cuidar do sobrinho, da filha da vizinha, não é a mesma coisa! 
A Isabelle nasceu e eu com ela nos braços me perguntava chorando, "por que ela está chorando?" E agora? O que eu faço? Como eu faço?? Sabe o que foi mais difícil??? A falta de comunicação com as enfermeiras aqui, (por minha parte que não entendo japones) e isso com certeza deu um empurrãozinho para o meu chororo. E a falta de alguém, pra me dizer como cuidar de mim e de um recem nascido.

Não! Não foi fácil o choro, as dores, aquele monte de agulhadas, aquelas dúvidas se eu estava fazendo certo. Mas passou, a Isabelle cresceu e se tornou minha companheira de bagunça, de ombro amigo, de brigas, de cumplicidade, de carinho, uma amiga pra todas as horas. E aí, planejamos o Liam, nos preparamos, me organizei, esperei por ele, e sempre com a minha perceira comigo!
E ele nasceu! E a Isabelle esteve comigo antes da operação e depois, ficamos internados (todos nós a Isabelle, meu marido e o Liam) todos juntos por 8 dias num quarto pequeno da clínica onde tive o Liam. 
Ali já pude ter uma ideia do que seria minha vida dali pra frente com uma criança de 3 anos e um bebê pra cuidar. Vi que seria estressante e nada fácil cuidar dos dois ao mesmo tempo. E assim tem sido todos os meus dias desde que o Liam nasceu, não digo estressante, mas corrido, e uma loucura. O Liam não é como a Isabelle que dorme à noite inteira 12 horas direto 😊 Falando nisso eles têm personalidades diferentes e são diferentes em tudo (claro,né! Eles não são a mesma pessoa!) E como lidar com tanta diferença ao mesmo tempo??? Me fala que eu não sei ainda.

Meu dia começa com o Liam pedindo pra mama e trocar a fralda, dorme mais um pouco, nem sempre, e aí vai meu dia intercalando com a Isabelle me pedindo algo no exato momento em que eu me sento com o Liam pra mamar, e as tarefas de casa, lavar,limpar e cozinhar. Aliás cozinhar o básico da rapidez, como carne moída com batata, carne cozida, frango cozido, Sempre cozido ou frito na panela airfryer que eu posso deixar cozinhado e atender o Liam. 
E meu dia acaba quando o Liam dorme??? Não...porque aproveito para estender a roupa que ficou o dia todo na máquina (porque eu esqueci) ou recolho a roupa que esqueci também. Ou dou uma organizado na bagunça ou simplesmente apago de cansaço.

E aí você me pergunta e a Isabelle??? Pois é desde que o Liam nasceu já senti que a nossa cumplicidade/parceria tinha mudado, pois já não conseguia ficar com ela exclusivamente por pelo menos 1 hora. E isso tem me deixado triste porque ela precisa da minha atenção e da minha companhia.
Queria poder levar ela no parque perto de casa, mas agora é inverno e lá fora está 10 graus, como sair com um bebê é uma criança nesse frio??? E como fica,os em casa queria poder dar atenção e atividades pra ela, mas é complicado com um bebê que mama no peito. 
O que a gente tem feito é sentadas no sofá com o Liam mamando e brincando com os brinquedos dela e ela inventa uma brincadeira que eu possa participar.
Mas o que eu queria mesmo era dar atividades com números e coordenação motora pra quando ela entrar na escolinha ano que vem, ela não fique tão atrasada (porque japonês ensina a criança ser independente em tudo). 

Bom era um desabafo e ficou enorme, resumindo...Me falta tempo pra cuidar da Isabelle, de mim e da casa, mas eu sei que é uma fase e que assim que o Liam tiver sua independência vou conseguir mais tempo pra todos nós. E que até lá vou precisar continuar respirando fundo pra não surtar quando os dois choram ao mesmo tempo. E sempre me lembrar de que o tempo está passando rápido e que tenho que aproveitar esse momento que eu tenho com a Isabelle. 

2 comentários:

  1. Amiga meu bebe Daniel tem 1 ano e 8 meses e a minha filha 8 anos, ainda continuo como você correndo, a luta continua, só melhora em alguns aspectos, mas vai dar tudo certo!!!

    ResponderExcluir
  2. Vamos voltar com o desafio gramas da vez, agora sera diferente, fiz um post lá no blog http://www.jennigama.com.br/2017/01/desafio-gramas-da-vez-retorno.html

    ResponderExcluir